domingo, junho 05, 2005

Hajam (algumas) boas notícias...

A maior companhia britânica de transportes aéreos (designada por British Airways) fez conhecer a sua posição contra o transporte aéreo de animais "escravizados e usados em laboratórios, experiências várias e outro tipo de exploração".

Na verdade, há imensos anos que esta directiva constava na política da empresa, mas recentes descobertas trouxeram à luz do dia alguns casos esporádicos que contrariavam esta lei.

Assim, a companhia de transportes aéreos fez chegar uma missiva a várias organizações de protecção dos animais, garantindo-lhes que a partir de agora isso não aconteceria.

Todos os anos milhares de primatas eram transportados por esta companhia para laboratórios noutras partes da Europa e até mesmo nos E.U.A., depois de não conseguirem escapar a armadilhas pungentes, acabando por passar inúmeros dias presos em jaulas escuras e sem condições, dentro das próprias instalações desta companhia.

Os primatas são especialmente valorizados em experiências laboratoriais dadas as suas semelhanças com os humanos, em termos de experimentação de dor e ansiedade.

2 Comments:

Blogger Angela said...

Faz-me uma confusão pensar no que se faz aos animais... E depois apresentam a marca como muito clean, muito eco protective e tal. :( Viva as grandes empresas como esta, pela grande ajuda que dão aos animais que sofrem destas atrocidades!

2:19 da manhã  
Blogger ElEkTrO said...

Olá. Obrigado por teres aproveitado esta noticia da qual te dei conhecimento para a meteres aqui. De facto posições como esta, tomadas por empresas de renome fazem-nos aumentar a esperança que isto aos poucos vai lá e já há mais "open-mind" em relação á defesa dos animais. Aproveito e não resisto em colocar aqui uma frase por um doutor chamado Ralph Bircher. "Se fossemos capazes de imaginar o que se passa, constantemente, nos laboratórios de vivissecção, não poderíamos dormir em paz e em nenhum dia estaríamos felizes e tranquilos."

Beijo*
N.

12:39 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home